ALEH Blog

Blog do Alessandro Andrade. Magrinho, Engenheiro e toca violão.

A Presidente ou A Presidenta?

Antes e depois da posse de Dilma Roussef como a nova president… é… no cargo máximo da Presidência da República Federativa do Brasil, surgiu a polêmica sobre qual seria a forma correta de nomear a recém eleita candidata petista: ela é a nossa presidentE ou presidentA?

Fonte da foto: Gazeta do Povo

Para tirar as dúvidas e esclarecer o assunto, o twitter @novohouaiss, mantido pela Editora Objetiva e de acordo com o Novo Dicionário Houaiss, utilizou o serviço TwitLonger para extrapolar os 140 caracteres e trazer uma explicação gramática mais completa sobre a flexão de gênero de algumas palavras, entre elas “presidente”:

Agora, tudo de uma vez só, como vocês pediram, sobre a polêmica presidente/presidenta.

As regras de correção de uma língua não são resolvidas por nenhuma instituição ou grupo de gramáticos. O que estes fazem é observar, nos bons escritores, os empregos que se fazem da língua e estabelecer com isso as regras. Nada impediria que as pessoas utilizassem femininos como atendentas, pedintas etc., mas o fato é que não se registra tal coisa na língua.

Há palavras para as quais os usuários criaram femininos e outras para as quais não há flexão de gênero. Muitas profissões que eram historicamente apenas de homens passaram a ser também de mulheres; tais palavras, registradas nos dicionários anteriores como masculinas, agora têm de ser referidas como de dois gêneros: tenente, piloto (o piloto, a piloto) etc. Certos outros substantivos já contavam com femininos na língua: general/generala, presidente/presidenta.

Ao empregar palavras, os usuários da língua por vezes fazem opções entre uma forma e outra, até atribuindo dois gêneros a algumas delas. Havia, por exemplo, poeta (masc.) e poetisa (fem.), mas os falantes da língua acabaram convencionando, tanto no Brasil como em Portugal, que poeta seria a palavra ideal para ambos os sexos (como se poetisa fosse um degrau mais baixo do que o do masculino poeta) e assim ficou poeta para os poetas e as poetas. Poetisa anda se usa, mas percentualmente bem menos.

A língua registra como corretas as duas possibilidades, mas a opção pesou para o lado do masculino neste caso. Com presidente/presidenta ocorre o mesmo: existem os dois, mas o uso percentual acabará por optar por um deles em detrimento do outro. A língua não tem lógica quanto a tais fenômenos. O que os gramáticos fazem é observar os usos e registrá-los. Atendenta não existe por não ter emprego percentual de peso na língua; presidenta sim. (grifo nosso)

via tweet do @followfabio.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

QR Code

Deixe seu comentário!

Comentários

1 Comment

  1. Não deixa de ser esquisito/engraçado né?

    Valeu, Aleh!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© 2008 - 2017. ALEH Blog

Theme by Anders NorenUp ↑

Licença Creative Commons
ALEH Blog de Alessandro Andrade está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.aleh.com.br.